terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Foram Castelos no Ar...


As promessas não deveriam ser de vidro...
Qualquer que seja o sonho
Quebramo-lo... Esquecemos que existiu...
Palavras que mais parecem ditas pelo vento...
Já não há poemas que me falem de bem querer,
ou palavras que embalem... que me façam sonhar,
Ou o "para sempre" em que acreditar...

Sem nada a perder os passos não se perdem,
o caminho não se esquece... Mas já nao há futuro,
o passado é tudo o que ficou...
O que ficou desse olhar...?

Embarcar numa nova estrada,
Sentir o que existe, o que se tem...
Não é pouco...
Foi o que se construiú... Vou pintar um mundo alegre...
como eu... porque as coisas simples também nos fazem sorrir!
O sorriso não se perde...
... e esta é uma promessa que não se perde...

1 comentário:

Mády disse...

Sábias palavras, vejo que tens alma de poeta.Amei sua sensibilidade nas palavras e também acho que as promessas não deveriam ser de vidro.
Parabéns pelas poesias.
Beijos em versos.